Certificação Energética: A melhor forma de valorizar o seu imóvel

  • Mariana Soares

O certificado energético, desde janeiro de 2009, é um elemento indispensável e obrigatório para imóveis novos ou antigos, no exato momento em que estes são colocados no mercado, pelo proprietário ou mediador imobiliário, para arrendamento ou venda. Além disso, para qualquer edifício que seja alvo de uma reabilitação e cujos custos ultrapassem 25% do seu valor deve ser solicitado a emissão de um novo certificado energético.

É neste documento, facultado em formato digital, que se avalia o consumo, desempenho e eficiência de um imóvel atendendo a uma escala de oito classes, correspondendo o F a muito pouco eficiente e o A+ a muito eficiente. Após o diagnóstico realizado e dependendo do nível de classificação são apresentadas sugestões personalizadas, no entanto não obrigatórias, com o intuito de melhorar o conforto e reduzir o consumos de energia, instalando, a título de exemplo, janelas com dupla caixilharia ou reforçando o isolamento (interior ou exterior). 

O nível de classificação energética de uma habitação está dependente de diversas caraterísticas tais como o ano de construção, a constituição das envolventes, a localização do imóvel, a tipologia, o andar e as dimensões. Os equipamentos necessários para garantir a climatização (ventilação, refrigeração e aquecimento) são também fatores preponderantes. 

Numa campanha lançada pela Agência para a Energia (ADENE), “Certificar é Valorizar”, Manuel Bóia, administrador da organização, refere: “Queremos lembrar os portugueses que o certificado energético é o primeiro passo para a reabilitação energética de uma casa, o que terá implicações diretas no conforto, na saúde e, claro, nos gastos, através de uma redução nos consumos. Obter o certificado permite identificar as necessidades e medidas a implementar para viver numa casa energeticamente mais eficiente, com o objetivo de, poupando, valorizar também o imóvel.”

Segundo a mesma fonte, a aquisição do certificado energético é um investimento para a melhoria da qualidade de vida. Além de permitir a valorização do edifício, possibilita ainda um maior conforto e aumento das poupanças de energia. Além disso, com a implementação das propostas de melhoria sugeridas no certificado a habitação tornar-se-á eco-friendly e contribuirá para um ambiente mais sustentável.

Uma casa com certificação A+ ou A, no mercado imobiliário, pode representar um acréscimo até 10% no valor da habitação, benefícios fiscais no IMT e IMI e facilitação de empréstimos para realização de obras com condições mais benéficas e competitivas. 

Quer saber mais? Contacte-nos.